Untitled Document
  • Arquivo de 'Livros'



    postado por: Isabela Soares | 12 ago 2017

    Vamos conhecer o pai Vandir Luiz Ottoni que nasceu na cidade de Colorado Rio Grande do Sul, em 1959. E quebrando esteriótipos por trabalhar no ramo de transportes onde é mas conhecido, é ex bancário, formado em história pela FAPA e escritor do livro que iremos conhecer a seguir! Escolhi o Vandir porque eu o conheço de perto, é uma pessoa inspiradora por sua história e sua família. É com muito carinho, e também por ser descendente de italianos e muito do que ele relata em seu livro me fez relembrar de minha infância no interior, apesar das dificuldades muito se aprende como valores familiares e costumes em sua linda obra.

    Ao menos para esta publicação o Vandir teve um trabalho de cinco anos, viajou à Vincenza, na Itália, e lançou uma publicação onde conta a história e a árvore genealógica de sua família. O livro ajudou a reiterar o pensamento de Vandir em relação à importância dos livros em uma sociedade recheada de meios digitais. “Essa é a peculiaridade do livro. Ele mantém a história para a posteridade. Neste livro é possível resgatar u pouco da língua, de sua culinária, artesanato, das festas (filó), dos jogos, das orações, agricultura.

    livro_vandirO Livro Famílias Signori e Ottoni narra a fascinante história dessas duas Famílias, suas origens, a saga, a viagem, os costumes, o legado dos primeiros imigrantes italianos em solo brasileiro, são alguns dos pontos, que marcam esse fantástico livro.

    O sobrenome italiano Signori foi classificado como tendo sua origem em um apelativo popular ligado a uma atividade profissional exercida pelo portador inicial, ou seja, ligado a um trabalho que este executava com a finalidade de suprir suas necessidades e de manter seus dependentes. Depois do Concilio de Trento, com a exigência dos sobrenomes, muitos adotaram os de suas profissões, estas na época eram transmitidas de pai para filho, para fazer distinções entre indivíduos que tinham o mesmo prenome, mas outra profissão.

    A família Ottoni tem sua origem na Itália, na região de Matellica, e recebeu esse nome quando, em uma batalha no século X, os antepassados de Theóphilo Ottoni, Ludovico e Pietro delle Ponte, lutando ao lado de Othon I, saíram vitoriosos e foram acolhidos na família do Imperador como príncipes perpétuos do reino, com direito ao nome.

    Para embarcar com destino ao Brasil há 140 anos, os antepassados de milhões de gaúchos tiveram de abandonar familiares e residências e percorrer longos trajetos a pé e de trem, da porta de casa até o porto da cidade de Gênova, com filhos a tiracolo e pertences reunidos em baús de madeira e trouxas de pano.
    – A pobreza absoluta é o grande móvel desse episódio chamado imigração italiana, e ela está como uma referência para a memória coletiva – destaca a pesquisadora Cleodes Piazza Julio Ribeiro, descendente de Tommaso Radaelli, um dos três primeiros imigrantes que chegaram a Nova Milano (hoje distrito de Farroupilha, na Serra) em 20 de maio de 1875.
    As longas viagens nos navios com destino à América prometida que vênetos, trentinos e lombardos começaram a cultivar a ideia de italianidade como é conhecida hoje no Rio Grande do Sul. Empurrados pela pobreza – e, ainda mais, pelo medo dela –, os imigrantes passaram a se sentir parte de uma mesma identidade étnica. Na travessia do Oceano Atlântico, uma Itália passava a ser construída fora da Itália no final do século 19. Em meio à crise agrária que assolava a Europa, o país recém havia finalizado a unificação, em 1870.
    Não há muita atenção de pesquisadores italianos sobre a vinda dos compatriotas a terras brasileiras. Praticamente não se trata desse tema nas escolas italianas, e a preferência de estudiosos recai sobre a ida dos italianos aos Estados Unidos e à Argentina.

    Este livro tem como objetivo prestar uma homenagem a esta brava gente, a este povo destemidos em sua longa jornada cheia de dúvidas e medos, mas com esperança de algo melhor imigraram para o Brasil, não deixe de ler é a cultura de nossos colonizadores algo que não devemos deixar se perder no tempo.

    Se este livro tivesse que ter um segundo título seria “A FAMÍLIA”.

    IMG-20170812-WA0031

     

    Relato do seu filho primogênito Braian neste Dia dos Pais:

    Ottoni

     

    por Viviane M. Santos.

    FELIZ DIA DOS PAIS!

    postado por: Isabela Soares | 12 ago 2017

    O meu pai Valtezer Dos Santos deixou parte dessa pregação no seu caderno como última leitura antes de deitar para o um sono eterno com ABA!
    Não existe maior amor que o que tu me deu nesta terra, tu Pai foste escolhido a dedo para ser meu paizinho, meu herói te amo pra sempre!
    A tua “princesinha” segue forte porque tu me ensinou amar todas as coisas, a não ser só uma coisa, mas ter muitas habilidades e pedir a Deus virtudes, mas sempre com a essência do amor!

    VINHO NOVO: v.17ª
    Quando se fala de vinho na Bíblia, refere-se a tudo o que seja de origem da uva (João 15.4). Era a bebida mais usada na época por seu teor nutritivo e saboroso além de ser de fácil conservação para uso doméstico, em viagens no deserto para saciar a sede, além das festas familiares (João 2.1-12).
    Contudo havia três tipos de vinho:
    VINHO NOVO: é o que Jesus chamou de “fruto da videira” (Mateus 26.29), ou seja, o suco da uva pisada no lagar (Isaías 63.2), ainda fresco e sem mistura (Apocalipse 14.10). O vinho mais usado diariamente nas famílias era novo com propósito apenas de alimentação, não tendo tempo nem para envelhecer e fermentar.
    VINHO VELHO: é o vinho guardado em odres durante muito tempo para fermentar. O suco da uva quando envelhecido se torna mais forte (Josué 9.4). O fermente sempre foi símbolo da influencia do pecado (Marcos 8.15; I Coríntios 5.7,8).
    VINHO MISTURADO: é quando se acrescenta ao suco da uva uma mistura que lhe dê maior teor alcoólico (Provérbios 23.20; Isaías 5.22), também chamado de “bebida forte” (Levítico 10.9; Deuteronômio 29.6; Provérbios 20.1) toda pessoa que se consagrasse ao Senhor deveria se abster desta bebida (Juízes 13.9, 7 e 14; Número 6.3; Lucas 1.15). Por isso Jesus não quis beber o vinho com fel quando estava na cruz (Mateus 27.34)
    O Senhor quer nos renovar como o Vinho Novo que representa o Sangue de Jesus (I Coríntios 10.16) e o fluir do Espírito Santo para que “não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito” (Efésios 5.18).
    Deus quer te dar Vinho Novo!

    ODRES NOVOS: v.17b

    O odre era um saco de pele animal costurada que servia de recipiente para guardar líquidos como água (Gênesis 21.14,15,19), leite (Juízes 4.19) e vinho (Josué 9.4). Mas deveria ser usado especificamente para cada coisa separada para não deixar sabor de leite no vinho ou deste na água por exemplo.
    O odre envelhece com o tempo. O couro encolhe e enruga. O sabor do vinho velho ou de qualquer outra mistura pode estragar o vinho novo. Mas o vinho novo é mais ácido e pode corroer o odre. Além disso, o vinho novo vai liberando gases com o tempo e esticando o couro, então o se o odre já estiver velho pode estourar. Por isso Jesus disse que “vinho novo deve ser posto em odres novos [e ambos se conservam]” (Lucas 5.38).
    O Espírito Santo quer habitar em nós e nosso corpo deve ser templo do Senhor (I Coríntios 3.16), mas nossa carne corruptível não suporta o poder de Deus (I Coríntios 15.50). Por isso precisamos ser renovados como um odre novo para receber o vinho novo.
    Esta renovação do odre significa renunciar às vontades da carne (Efésios 2.3) negando-se a si mesmo para seguir a Jesus (Marcos 8.34). Deixando a cada dia as obras da carne para buscar o fruto do Espírito (Gálatas 5.19-23). Muitas vezes envelhecemos com o pecado e coisas do mundo. Somente Deus pode renovar nosso ser de tal maneira que até mesmo nossa carne seja transformada e possamos ser mais espirituais.
    Deus quer renovar o seu odre!

    3- VESTES NOVAS: v.16
    Uma roupa velha remendada com parte de pano novo não é uma roupa nova nem velha. É um desperdício de tecido novo que poderia ser feita uma veste nova. As roupas caracterizam as pessoas e muitas vezes julgamos pela aparência (I Samuel 16.7). As vestes novas também representam esta nova vida, não somente no exterior porque uma pessoa pode ser bem vestida e guardar pensamentos velhos e sujos.
    O filho pródigo quando voltou para a casa do pai, chegou sujo e maltrapilho e seu pai lhe deu a melhor roupa (Lucas 15.22) demonstrando a renovação que seu filho passava, porque “estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado” (Lucas 15.24).
    Quando Jesus voltar e nos receber, vai nos dar “vestiduras brancas” (Apocalipse 3.5) porque “lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro” (Apocalipse 7.14).

    Deus quer te dar Vestes Novas!

    CONCLUSÃO:
    Deixe Jesus renovar sua vida totalmente.
    O vinho novo é a vida interior, aquilo que está dentro de você como o sangue que corre em suas veias. Se houver em você o vinho velho do passado ou misturado do pecado, Ele te dá o vinho novo de alegria do Espírito Santo e o lavar do sangue de Jesus.
    O odre novo é nossa carne ou sentimentos e vontades.
    Renove tudo em sua vida!
    Os que recebem Cristo como seu Salvador pessoal submetem seus caminhos à vontade dEle e aos Seus caminhos.

    Sabem o que significa mudar as vestes. […] “Quem crê no Filho tem a vida eterna” (Jo 3:36)

    VÍDEO PAI ADORANDO O SENHOR COM DANÇA!

     

    UM POUCO SOBRE TI MEU HERÓI!

    paiiii

     

    FB_IMG_1502642460317

    postado por: Isabela Soares | 12 ago 2017

    Lázaro é pai, e neste dia nada melhor do que falar de sua obra recém lançada.
    Neste livro Lásaro nós conta sobre a sua infância, sobre a ilha de Paty na Bahia, como foi ser uma criança vivendo em uma ilha.
    Conta-nos como foi viver em um círculo protetor onde a questão de ser negro não era falada, pois onde ele cresceu a grande maioria era de pessoas como ele.
    Como foi quando ele saiu desse círculo protetor e teve que encarar o racismo.
    Brinda-nos com as emoções da primeira vez que ouviu o orgulho de ser negro em um carnaval cantado a plenos pulmões.
    Ficamos sabendo como as questões raciais entraram forte na vida dele quando ele se juntou ao grupo Bando de teatro Olodum.
    Lázaro nós mostra que os convidados do seu programa na TV Brasil , o Espelho , lhe trouxeram muitos ensinamentos. O livro não é uma autobiografia, mas Lázaro compartilha conosco um pouco de sua história e trajetória que faz ele ser quem ele é hoje e pensar como pensa hoje. Ao rejeitar qualquer tipo de segregação ou radicalismos, Lázaro nos fala da importância do diálogo. Não se pode abraçar a diferença pela diferença, mas lutar pela sua aceitação num mundo ainda tão cheio de preconceitos.
    De uma maneira leve e sincera, o escritor nos mostra como diversas ações que passam despercebidas por grande parte dos brasileiros, são discriminatórias e alimentam cada vez mais o racismo enraizado da nossa sociedade. Lázaro Ramos, munido de diversas referências, consegue nos fazer enxergar e ficar atento com as mazelas que tornam o Brasil um país excludente, um país que veladamente extermina a raça que faz parte de suas origens.
    Acredito que Na minha pele é uma ótima leitura para discutir o tema em salas de aula e contribuir para o incentivo da leitura. A narração fluida faz com que a voz de Lázaro Ramos ecoe na nossa cabeça conforme lemos cada palavra. A linguagem clara e objetiva nos faz sentir próximos ao escritor, como se estivéssemos assistindo ao seu programa Espelho, no Canal Brasil.
    A dica é que leiam o livro, releiam se puder, conversem, discutam, analisem, observem e por fim, contribua com a luta contra a discriminação por raça. Se a mudança começar por você, pelos valores que você passa para seus filhos, amigos e família, já é um grande passo para tornar o país bom para ser negro, pardo, vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil, violeta e qualquer outra cor, raça, gênero que houver neste mundão tão complexo.

    Um livro fácil de ler e de sentir. Sentir com Lázaro as tristezas que o racismo provoca, sentir quantas vezes somos deixados de lado por falta de oportunidades.
    Que nosso caminho é muito mais longo e precisamos resistir.
    Eu chorei , eu ri e refleti sobre muitas coisas. O bacana de tudo é que conheci mais um pouco de Lázaro Ramos.
    Ele, como a grande parte de nossa geração, busca soluções para o racismo que mata jovens negros diariamente.
    O racismo que faz com que mulheres negras recebam menos anestesia na hora do parto, porque somos fortes e aguentamos a dor, e podemos lembrar com isso dos tempos da escravidão: “negro não tem alma, então não sente dor”.
    O racismo que faz com que nossas vidas não importem.
    Algo muito bacana de ler no livro é sobre a sua família, esse círculo protetor que Lázaro cultiva até hoje.
    Me tocou profundamente as partes que ele fala de sua mãe. Outro ponto importante para observar é a relação com o pai.
    Foram de grande aprendizado e ao mesmo tempo acolhedoras as horas passadas com Lázaro em NA MINHA PELE.
    Sabe quando você lê algo que te toca? Pois você entende perfeitamente o sentimento do autor do livro, é isso que o livro fez comigo.

    postado por: redacao | 20 jul 2017

    Nossa equipe foi assistir o filmaço da Mulher-Maravilha legendado é claro, e fizemos nossa crítica confira abaixo:

    O filme conseguiu convencer?

    Sim! Diana Prince, representa o que há de melhor entre nós, ela tem empatia, inocência, garra, senso de justiça e, principalmente, ela é uma mensagem de esperança. Não só para o mundo dos homens, como para Temisciria. Se as amazonas já estão cansadas e marcadas pela guerra que as levou à ilha paraíso, Diana possui um senso de aventura e determinação que a torna não só a emissária perfeita, como também a heroína amazona que o mundo precisa. Diana não é um poço de niilismo e tragédia como o Batman e o Superman do universo cinematográfico da DC, ela é capaz de ver a tragédia, de hepatizar de verdade com aqueles que sofrem, de querer ajudá-los e de se preocupar com o que vem depois de seus atos. Não é sobre o umbigo de Diana, não é sobre revanche, é sobre a humanidade.
    Mulher Maravilha e Gal Gadot são uma única pessoa, tanto que é visível todas essas camadas de Diana de maneira incrível, a atriz consegue acertar não só a postura de princesa guerreira, mas também o de uma garota que apesar de curiosa com um mundo novo, não compreende suas regras machistas e por vezes repugna muitos de seus aspectos. Fisicamente ela se impõe como guerreira sem que nos faça duvidar de todo o seu poder. Sua humanidade nos torna próximos aind amais da heroína, quem não queria desistir dos seres humanos egoístas e sem compaixão nenhuma?
    “Entertainment Weekly”, que analisou a quebra dos padrões masculinos em filme de heróis. “É deliciosamente irônico que em um gênero em que os meninos parecem ter toda a diversão, uma heroína e uma diretora são as que mostram para os rapazes como se faz”, escreveu Chris Nashawaty. Mark Hughes, da “Forbes”, ficou impressionado pelas locações e o uso inteligente da computação gráfica, e elevou o filme a clássico. “‘Mulher-Maravilha’ é uma eletrizante conquista cinematográfica. Performances incríveis e visuais impressionantes fazem um dos melhores filmes de super-heróis de todos os tempos”.
    “Na recente enchente de filmes de heróis, muitos acabam sendo bons”, opinou Alonso Duralde, do “The Wrap”, e acrescentou: “Mas ‘Mulher-Maravilha’ se qualifica como um dos poucos excelentes” Lindsey Bahr, da Associated Press, afirmou que o filme tem suas falhas, mas que o produto final é gratificante. “Não é perfeito, mas é constantemente bom, algumas vezes excelente e excepcionalmente dá para ver novamente”. “Basta ver a imagem confiante de Gal Gadot sozinha em um campo de batalha já perdido com apenas um escudo, uma espada e uma missão – e prevalecendo. É o suficiente para causar arrepios”, concluiu.

    A sequencia do filme pode ser anunciada com detalhes de ano e início de filmagens ainda este mês na DCC, vamos cruzar os dedos neh!

    Música do final do filme: To Be Human – Sia (mais…)

    postado por: Isabela Soares | 13 mar 2017

    Segundo o My Entertainment World, as gravações de “Capitã Marvel” devem começar no dia 18 de janeiro de 2018. Porém, a informação não foi confirmada pela Marvel Studios.

    A personagem, também conhecida como “Miss Marvel”, foi criada em 1968 por Roy Thomas e Gene Colan. Capitã Marvel já apareceu em ação com figuras como Nicky Fury e Wolverine, sendo parte da equipe dos Vingadores no quadrinhos.

    O filme será roteirizado pela dupla Nicole Perlman (Guardiões da Galaxia) e Meg LeFauve (Divertida Mente) e a estreia está prevista para março de 2019.